Economia & Energia
Ano IX -No 53:
Dezembro
2005 - Janeiro 2006
ISSN 1518-2932

No 53 setae.gif (977 bytes) English Version   
 

BUSCA

CORREIO

DADOS ECONÔMICOS

DOWNLOAD

e&e ANTERIORES

e&e No 53

Apoio:

Página Principal

Editorial:

e&e : a Organização e a Revista

A Organização e&e:

A Organização Economia e Energia e&e é reconhecida como OSCIP

Projeto:

Produtividade de Capital: A Organização e&e e o Ministério da Ciência e Tecnologia Assinam Termo de Parceria

Notícia:

Conclusão da Fabricação e Montagem dos Internos e do Vaso de Pressão do Reator do LABGENE .     


e&e por autor
e&e por assunto

http://ecen.com
Vínculos e&e

guestbook

Veja também nosso suplemento literário

http://ecen.com/
jornalego

Projeto e&e:

Produtividade de Capital: A Organização e&e e o Ministério da Ciência e Tecnologia Assinam Termo de Parceria

Estudos anteriores, divulgados nesta revista, identificaram que a queda de cerca de 50% na produtividade de capital entre 1970 e 1990 é o entrave principal, na economia real, que vem prejudicando o desenvolvimento brasileiro. Em dezembro de 2005 a Organização Economia e Energia - e&e e o Ministério de Ciência e Tecnologia MCT assinaram termo de parceria cujo objetivo é estabelecer as bases para um programa de produtividade de capital no Brasil.

A Revista e&e tem a responsabilidade, nesta parceria, de ser um dos canais de comunicação com a Sociedade para divulgar os resultados e propiciar a saudável fiscalização da condução do projeto.

O Programa de Trabalho define resultados, indicadores, metas e prazos cuja divulgação antecipada poderá facilitar este controle. Também será instituído um Comitê de Acompanhamento com a responsabilidade de monitorar o projeto.

Como parte deste processo neste número estamos divulgando um extrato do programa de trabalho estabelecido no Termo de Parceria entre a e&e e o MCT ( No 0017/2005, D.O. 26/12/2005) .

O projeto tem como objetivo fornecer as Bases para um Programa de Incremento da Produtividade de Capital, que poderia constituir-se em um programa nacional. O projeto, associado a iniciativas de outros órgãos governamentais e da Sociedade Civil (como a edição pela STI/MDIC e a CNI de coletânea sobre o tema), visa criar condições para superar o entrave identificado ao desenvolvimento econômico do País. Os estudos setoriais buscarão identificar em três setores e nove empresas as ações na área gerencial e tecnológica que possam conduzir ao melhor aproveitamento dos bens de capital existentes, objetivando, inclusive, que um maior número de empregos possam ser criados a partir desse capital. A constituição de um Comitê de Acompanhamento e a divulgação dos estudos têm como objetivo criar condições para a continuidade do tratamento do tema.

Extrato do Programa de Trabalho:

PRODUTIVIDADE DE CAPITAL

1.      ANTECEDENTES E JUSTIFICATIVA

1.1. ANTECEDENTES

A Organização Economia e Energia e&e, constituída em 31 de Julho de 1998, para dar apoio à revista de mesmo nome, editada a partir de 1997, e realizar estudos e projetos nas áreas econômica e energética. Em 04 de Novembro de 2005 a organização recebeu a qualificação de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP.

A Organização Social Economia e Energia – e&e, cujos estatutos foram adaptados às exigências para sua qualificação como OSCIP, manteve essencialmente as suas finalidades de origem quais sejam:

·          Contribuição para o desenvolvimento social e econômico do Brasil e de outros países através da pesquisa nos campos social, econômico e da produção e uso da energia para fins exclusivamente pacíficos;

·          Defesa, preservação e conservação do meio ambiente e promoção do desenvolvimento sustentável;

·          Promoção do desenvolvimento econômico e social e combate à pobreza;

·          Elaboração de estudos e pesquisas, desenvolvimento de tecnologias alternativas, produção e divulgação de informações e conhecimentos técnicos e científicos que digam respeito às finalidades acima enumeradas.

Vários dos integrantes da Organização Economia e Energia-e&e, vêm trabalhando no tema Produtividade de Capital já há mais de duas décadas. O assunto surgiu em trabalhos realizados na antiga Secretaria de Tecnologia Industrial (MIC), onde a limitação de investimentos foi, inicialmente, diagnosticada como um dos problemas para incrementar o abastecimento energético no Brasil. No livro “Brasil: O Crescimento Possível”, (Editora Bertrand 1996), que tem entre seus autores Carlos Feu Alvim (coordenador), João Camilo Penna, Omar Campos Ferreira e Aumara Feu que integram a equipe da e&e, a queda da produtividade de capital foi identificada como um dos principais entraves ao crescimento do país. A revista Economia e Energia (editada pela Organização de mesmo nome) tem tratado do tema em vários artigos (incluindo teses) sobre o assunto. Alguns deles foram reunidos em coletânea anexa. Também está sendo editado pelo MDIC (Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) e a CNI (Confederação Nacional da Indústria), uma coletânea sobre o assunto com a coordenação e participação de membros da Organização.

1.2. JUSTIFICATIVA

No Brasil, precisa-se, a partir de 1990, do dobro de capital necessário para gerar uma unidade de produto do que era preciso em 1970.  Essa maior quantidade de capital necessária para gerar um produto, conjugada com a queda no investimento, tem limitado o crescimento brasileiro nas duas últimas décadas. Um país em desenvolvimento, onde o capital é o fator escasso, tende a ter uma produtividade maior do que a de países desenvolvidos, decaindo gradualmente no seu processo normal de crescimento. No entanto, quando esta produtividade se aproxima rapidamente do nível dos países desenvolvidos sem que o país tenha, contudo, atingido a mesma renda daqueles, como é o caso do Brasil, pode estar inserindo um ponto de estrangulamento no processo normal de seu crescimento.

A queda na produtividade do capital pode estar ocorrendo tanto pela adoção de políticas mais intensivas em capital na economia como um todo como pela realocação do capital em setores mais demandantes do uso deste fator.  Portanto, o conhecimento do seu comportamento a nível agregado e desagregado e a identificação dos fatores que causam perdas na produtividade do capital possibilitarão o estudo de técnicas de gestão de forma a realocar os recursos de modo produtivo e eficiente.

No presente projeto, a Organização e&e atuaria nucleando uma rede de excelência que se pretende criar para o tema e que poderia se constituir em base para um Programa de Produtividade de Capital (ou de Produtividade Multifatorial com ênfase na Produtividade de Capital) de caráter nacional.

            Um Programa de caráter nacional, seria muito melhor gerido, quando implantado, por um Parceiro Publico, face às ações que demandaria desde o início como a constituição de um Comitê de Acompanhamento pelo Secretário da SETEC, que deverá reunir especialistas e responsáveis das áreas de governo

2.      OBJETIVOS DA PARCERIA

2.1. OBJETIVO GERAL

O objetivo da parceria é propiciar o direcionamento do planejamento governamental e empresarial visando promover ações no sentido de melhor uso da capacidade de produção existente, incrementar o crescimento econômico e orientar os investimentos para setores ou para técnicas menos intensivas no uso de capital.

Serão considerados três níveis de atuação:

• Empresarial

• Setorial (Setores Específicos)

• na Economia como um todo

2.2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS

A realização dos objetivos específicos desta proposta dar-se-á através quatro linhas de ação para fins desta parceria: a) diagnóstico e articulação, b) levantamento de dados e estudos de caso, c) desenvolvimento e teste da ferramenta, e d) divulgação. Essas linhas de ação – enunciadas na ordem cronológica natural – permitem ações concomitantes na medida que já existam atividades e estudos (anteriores a este) em cada uma delas.

Os instrumentos a serem utilizados para atingir esses objetivos específicos serão:

• Ferramentas de gestão no nível empresarial, abrangendo a gestão da qualidade, do conhecimento, da estratégia de negócios e da inovação;

• Identificação da repercussão sobre a produtividade de capital de ações governamentais de maneira que elas sejam coerentes com o objetivo de incrementá-la;

• Estabelecimento de estratégias para tomada de decisão de investimento nos níveis governamental e empresarial que considerem as repercussões na produtividade de capital.

As principais atividades do projeto estão especificadas abaixo, sendo que o Objetivo Zero corresponderá à organização do Comitê de Acompanhamento do Projeto:

Objetivo Zero: CONSTITUIÇÃO DO COMITÊ DE ACOMPANHAMENTO

• Indicação do Comitê de Acompanhamento pelo Secretário da SETEC, que deverá reunir especialistas e responsáveis das áreas de governo, bem como a convocação de primeira reunião.

Objetivo 1: DIAGNÓSTICO E ARTICULAÇÃO

Fase 1.a (Relatório 1.a - Diagnóstico Preliminar e Perspectivas)

• Levantamento do estado da arte de estudos sobre a produtividade de capital e de suas conseqüências práticas para o desenvolvimento no Brasil e em outros países;

• Avaliação com auxílio do programa projetar_e (desenvolvido pela e&e em cooperação com a ECEN Consultoria Ltda) das perspectivas de crescimento nacional e regional e impacto da melhoria na produtividade de capital nesse crescimento;

• Identificação da repercussão sobre a produtividade de capital de ações governamentais, sugestões de políticas que sejam coerentes com o objetivo de incrementá-la;

• Lista de entidades e de especialistas relacionados ao tema;

• Informações sobre políticas e estratégias já adotadas em outros países para incrementar a produtividade de capital (legislação e regulação);

• Lista inicial de artigos e referências sobre o tema que farão parte de banco de dados na Internet;

• Proposição de indicador, no nível nacional, de produtividade de capital a ser divulgado periodicamente (possivelmente com periodicidade trimestral).

Fase 1.b (Relatório 1b - Proposta de Rede de Articulação)

• Início da construção de uma Rede de Articulação com instituições, nacionais e internacionais (UNESCO, OCDE, CEPAL, BID, BIRD, UNIDO), de sustentação à criação do conhecimento no tema (que também é importante para o desenvolvimento de outros países);

 • Identificação de parceiros institucionais no nível governamental (MCT, IPEA, BNDES, MDIC, MF, Secretarias Estaduais) e de associações de classe.

Fase 1.c (Relatório final - Conclusões do Projeto e Sugestão de Estratégia Futura)

Objetivo 2: LEVANTAMENTO DE DADOS E ESTUDOS DE CASO

Fase 2.a (Relatório 2.a - Preparação de Estudos Específicos)

• Escolha de três setores e três empresas em cada um desses setores para estudos de caso;

• Realização, nas indústrias, de teste de ferramentas de diagnóstico já existentes para avaliação de produtividade de capital (programa ou programas desenvolvidos no País e metodologia OCDE);

• Aprofundar estudo de produtividade para o País com ênfase nos setores escolhidos.

Fase 2.b (Relatório 2b - Resultado de Três Estudos Setoriais)

• Estudos comparativos entre produtividade do País nesses setores em relação a outros países;

• Estudo em nove indústrias com a confrontação da evolução da produtividade capital com a evolução dos resultados financeiros e de crescimento e com a evolução da arquitetura de gestão praticada.

Fase 2.c (Seminário e Conclusões)

•  Apresentação dos estudos setoriais;

• Sugestão de estratégias para tomada de decisão de investimento a nível governamental e empresarial que considerem as repercussões na produtividade de capital.

Objetivo 3: DESENVOLVIMENTO E TESTE DA FERRAMENTA DE GESTÃO

Fase única: (Relatório 3 e software)

• Desenvolvimento de instrumento voltado para o uso de dados da produtividade de capital no estabelecimento da estratégia e da política empresarial;

Software a ser aplicado diretamente pelos executivos;

• Construção de indicadores a serem acompanhados com a ajuda do software que permitirá simular resultados de situações e orientar decisões de gestão na empresa.

Objetivo 4: DIVULGAÇÃO

Fase única (02 Workshops, elaboração e manutenção de Site e elaboração de material de divulgação)

• Apoio à divulgação da coletânea sobre o assunto editada pela STI/MDIC em convênio com a CNI;

• Preparação de material para seminários de motivação dirigidos a entidades de governo e de classe e a estabelecimentos de pesquisa e ensino;

Workshops dos executores com a rede de articulação ou com o Comitê de Acompanhamento para discussão de fases do estudo;

• Elaboração e divulgação do Site de produtividade de capital;

• Geração de material para notícias.

QUADRO DE RESULTADOS E METAS

RESULTADOS

ATIVI-
DADES

INDICA-
DORES

METAS

PE-
SOS

PRAZOS DE EXECUÇÃO

0.Constituição do Comitê de Acompanhamento

0.1. Indicação do Comitê

Aceitação dos indicados

 

1

Dezembro de 2005

 

0.2. Reunião inicial do Comitê

Convites aos indicados

 

1

Dezembro de 2005

 

 

Realização da Reunião

Uma Reunião

3

Janeiro de 2006

1.Diagnóstico e Articulação

1.1.Diagnostico preliminar e perspectivas

Publicação de relatório

Um relatório

2

Abril de 2006

 

 

Banco de Dados na Internet

20%

1

Fevereiro de 2006

 

1.2. Proposta de rede de Articulação

Publicação de relatório

Um relatório

3

Junho de 2006

 

 

Articulação com Instituições Nacionais e Internacionais

Contactos UNESCO, OCDE, CEPAL, BID, BIRD, UNIDO.

1

Maio de 2006

 

 

Identificação de Parceiros da área governamental

Contactos MCT, IPEA, BNDS, MF, MDIC, SE.

1

Maio de 2006

 

1.3 Conclusões e Sugestão de Estratégia futura

Publicação de relatório

Um relatório

5

Dezembro de 2006

2. Levantamento de Dados e Estudos de Caso

2.1.Realização de Estudos Específicos

.Escolha de três setores e três empresas em cada setor

Coleta de dados de campo

5

Março de 2006

 

 

Publicação de relatório

Um relatório

10

Maio de2006

 

2.2.Realização de três Estudos Setoriais

Estudos comparativos em nove industrias

Analise de dados

5

Agosto de 2006

 

 

Publicação de relatório

Um relatório

10

Agosto de 2006

 
QUADRO DE RESULTADOS E METAS (Continuação)

RESULTADOS

ATIVI-
DADES

INDICA-
DORES

METAS

PE-
SOS

PRAZOS DE EXECUÇÃO

 

2.3 Apresentação de resultados em Seminário e Conclusões

Organização de Seminário

 

3

Setembro de 2006

 

 

Convite aos participantes

Um Seminario

7

Outubro 2006

2. Desenvolvimento e Teste da Ferramenta de Gestão

3.1.Desenvolvimento de Software

Teste da Ferramenta pelos executivos

Distribuição dos softwares às 9 empresas

8

Outubro de 2006

 

3.2. Construção de indicadores para simulações

Publicação de relatório

Um relatório

12

Outubro de 2006

4. Divulgação

4.1. Realização de Workshops com rede de articulação e Comitê de Acompanhamento

Organização de Workshops

Dois Workshops

8

Junho de 2006

 

Novembro de 2006

 

4.2. Preparação de material para seminários de motivação

Discussão com Comitê de Acompanhamento

Entrega de material ao MCT

3

Dezembro de 2006

 

4.3. Divulgação do site de Produtividade de Capital

Banco de Dados na Internet

80%

3

Dezembro de 2006

 

4.4. Geração de material de noticias

Publicação no site e&e

100%

3

Dezembro de 2006 em diante

 

4.5 Apresentação de resultados em Seminário e Conclusões

Organização de Seminário

 

3

Setembro de 2006

 

Cronograma:

Graphic Edition/Edição Gráfica:
MAK
Editoração Eletrônic
a

Revised/Revisado:
Tuesday, 07 March 2006
.

Contador de visitas